23/03/09

COMO ESTUDAR PARA UM TESTE

Como preparar um teste?

Os testes, as fichas de avaliação ou os exames são dos momentos mais importante da tua vida escolar. Deves preparar-te bem e com antecedência para conseguires bons resultados.

O medo ou alguma ansiedade são normais e, até certo ponto preparam-te para a acção, na medida em que é necessária alguma adrenalina para enfrentares o desafio que é uma avaliação. Tudo o que te exija velocidade de raciocínio, de esforço, de concentração, de resistência, de destreza implica que estejas alerta, activo e muito atento.

Antes do teste:

  • Estuda com tempo. Estudar apenas na véspera normalmente dá maus resultados e não te deixa tempo para tirares todas as tuas dúvidas. A véspera deve ser reservada para uma revisão final da matéria e não para estudar toda a matéria. Nunca ouviste dizer: “Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje”? Então prepara-te com alguma antecedência!
  • Treina-te a dar as respostas possíveis, por exemplo resolvendo testes antigos ou os testes formativos do manual. Um jogo de perguntas e respostas, que podes fazer com os teus colegas, costuma dar bons resultados.
  • Procura dormir bem: a frescura física é uma condição essencial para ter sucesso numa prova de avaliação.
  • Encara as provas com autoconfiança: o medo excessivo é um obstáculo ao teu êxito escolar.
  • Traça previamente um plano de estudo dos conteúdos e reserva, para a véspera da prova, a revisão final.
  • Volta a ler os sublinhados do texto do manual, as anotações e os apontamentos para melhor consolidares os teus conhecimentos.

Durante a realização do teu teste:

  • Não te esqueças de levar todo o material necessário à realização do teste.
  • Lê todo o enunciado da ficha antes de responderes, pois poderás tomar as atitudes mais correctas quanto à distribuição do tempo e à forma de organização das tuas respostas.
  • Distribui o tempo pelas várias perguntas, tendo o cuidado de deixar os últimos 5 ou 10 minutos para uma leitura/revisão das respostas.
  • Procura captar sempre o sentido exacto das questões, conhecendo previamente o significado de termos como: Define, Interpreta, Explica, Analisa, Comenta, Relaciona, Explicita. Lembra-te de que as perguntas mal compreendidas serão quase sempre as mal respondidas.
  • Faz uma lista de tópicos antes de começares a responder. De seguida, ordena-os de forma lógica e coerente e, só depois, elabora a tua resposta.
  • Começa a responder às perguntas mais simples e fáceis. Em caso de dificuldade, não te deixes bloquear e passa imediatamente a outra questão.
  • Responde de forma clara e segura. Evita falar daquilo que não dominas muito bem.
  • Cuida a tua caligrafia, pois a legibilidade de um texto facilita a sua avaliação. Se o professor não conseguir ler a tua resposta não poderá considerá-la correcta e tu só perderás com isso!.

Após a entrega/correcção da prova:

  • Quaisquer que sejam os resultados, solicita ao professor um comentário à tua ficha.
  • Em casa, consulta o manual e responde às questões em que tiveste mais dificuldades. Recorre de novo ao professor se ainda tiveres alguma dúvida.
  • Se tiveres uma nota baixa, não encares o resultado com uma derrota… Assume a responsabilidade e, sobretudo, lembra-te de que é apenas um aviso de que deves estudar mais ou melhorar os teus métodos de estudo. Confia em ti e não desanimes.
  • Se obtiveste uma boa classificação, orgulha-te do resultado mas não o encares com triunfalismo. Continua a trabalhar, pois essa é a chave para o teu êxito.

20/03/09

O CAVALEIRO DA DINAMARCA - resumo da viagem do Cavaleiro (vídeo)

Neste vídeo, feito por colegas teus, fala-se da peregrinação do Cavaleiro à Terra Santa, dos lugares que visitou nessa viagem e o que fez, viu e ouviu nesses lugares...

17/03/09

ORAÇÕES COORDENADAS E SUBORDINADAS (parte 2)

*ORAÇÕES COORDENADAS*

1- Orações coordenadas copulativas
Exprimem a simples adição de orações. Podem ser introduzidas por:
   - Conjunções: e; nem, também.
   - Locuções: não só...mas também; tanto...como; não só...como também.
Ex: Chove e troveja. 

2- Orações coordenadas adversativas
Indicam oposição ao que se disse anteriormente. Podem ser introduzidas por:
   - Conjunções: mas; porém; todavia; contudo.
   - Locuções: no entanto; apesar disso; ainda assim; não obstante.
Ex: A avestruz tem asas, mas não voa. 

3- Orações coordenadas conclusivas
Indicam uma conclusão tirada do que se disse anteriormente. Podem ser introduzidas por:
   - Conjunções: pois; portanto; logo.
   - Locuções: por consequência; por conseguinte; pelo que, por isso
Ex: A terra está molhada, logo choveu. 

4- Orações coordenadas disjuntivas
Exprimem alternância, distinção ou contraste. Podem ser introduzidas por:
   - Conjunções: ou (repetido ou não).
   - Locuções: ora...ora; quer...quer; seja...seja; seja...ou; já...já; nem...nem.
Ex: Ora chove ora faz sol.
 

*ORAÇÕES SUBORDINADAS*

1- Orações subordinadas temporais
Expressam a ideia de tempo. Podem ser introduzidas por:
   - Conjunções: quando; enquanto;
   - Locuções: logo que; depois que; desde que;
Ex.: Ele chamou o elevador quando eu fechei a porta. 


2- Orações subordinadas causais
Expressam a ideia de causa ou o motivo. Podem ser introduzidas por:
   - Conjunções: porque; pois; como;
   - Locuções: visto que; pois que; por causa de;
Ex.: Não vou sair, porque está a chover. 


3- Orações subordinadas finais
Expressam ideia de fim (objectivo). Podem ser introduzidas por:
   - Conjunções: para (= para que);
   - Locuções: para que; a fim de que;
Ex.: Estudem, para que passem de ano. 


4- Orações subordinadas condicionais
Expressam uma condição ou hipótese. Podem ser introduzidas por:
   - Conjunções: se;
   - Locuções: salvo se; excepto se; a não ser que;
Ex.: Se estudares tens o teu futuro garantido.

RESUMINDO:
Autora do powerpoint: prof. Teresa Pombo

15/03/09

ORAÇÕES COORDENADAS E SUBORDINADAS (parte 1)

*FRASE SIMPLES E FRASE COMPLEXA*


A frase pode ser constituída por uma ou mais orações.
Uma oração é a unidade gramatical organizada à volta de um verbo.


Frase simples é aquela que é constituída por uma única oração, contendo, portanto, um só verbo conjugado (apresenta, assim, apenas um sujeito e um predicado).


Ex.: Os meus pais oferecem-me muitos livros.
Frase simples ou oração (um só verbo conjugado)


Frase complexa é aquela que é constituída por duas ou mais orações. Apresenta, portanto, mais do que um predicado e muitas vezes mais do que um sujeito.


Ex.: Os meus pais oferecem-me muitos livros porque eu gosto muito de ler.
Frase complexa ( dois verbos conjugados)


Há duas maneiras de organizar as orações na frase complexa: através da coordenação e através da subordinação

Coordenação (Orações coordenadas) 

Os meus pais saíram. Eu fiquei em casa a ler.  

(Frase simples) + (Frase simples ) 

Estas duas frases simples e independentes podem ser transformadas numa frase complexa, estabelecendo-se entre elas uma relação de coordenação através de uma conjunção coordenativa. 

Ex.: Os meus pais foram ao cinema, mas eu fiquei em casa a ler.
(oração coordenada) + (oração coordenada)
mas = conjunção coordenativa 
Como verificas, as orações coordenadas não dependem uma da outra; podem, por isso, separar-se e constituir orações independentes. 
Nas orações coordenadas, cada uma das orações tem um sentido próprio e independente da outra oração. 
As orações coordenadas podem ser
copulativas, adversativas, disjuntivas e conclusivas
conforme a conjunção coordenativa que as liga.


Subordinação (Orações subordinadas) 
Ex.: Os meus pais foram ao cinema quando acabaram de jantar.
(oração subordinante) + (oração subordinada temporal)
quando = conjunção subordinativa temporal 
EX.Os meus pais foram ao cinema porque queriam distrair-se
(oração subordinante) + (oração subordinada causal)
porque = conjunção subordinativa causal
Como verificas, as orações quando acabaram de jantar e porque queriam distrair-se apenas têm sentido se estiverem ligadas à oração principal (subordinante) 
Nas orações subordinadas há uma oração que tem sentido próprio (oração subordinante) e outra (ou mais) que não tem sentido próprio (oração subordinada), que para ter sentido está dependente da outra, está subordinada à outra. 
As orações subordinadas podem ser
temporais, causais, finais, condicionais,...
conforme a conjunção subordinativa que as introduz.


RESUMINDO:

NOTA - para veres com mais pormenor cada um dos tipos de orações coordenadas e subordinadas, consulta o texto:



05/03/09

O Cavaleiro da Dinamarca - roteiro da viagem

Aqui tens o mapa com o percurso do Cavaleiro da Dinamarca, na sua viagem à Terra Santa.


04/03/09

Funções sintácticas

Na Gramática, a sintaxe estuda a ordem ou a organização das palavras na frase.

As funções sintácticas são as funções (função é a palavra que usamos para designar aquilo para que as coisas servem) que as palavras desempenham dentro da frase.

As funções sintácticas essenciais são: o sujeito e o predicado.

O sujeito é a palavra ou as palavras que indicam quem faz aquilo que o verbo diz; é aquele que pratica a acção.

O predicado é constituído pelo verbo e pelas palavras que completam o sentido do verbo; é a acção praticada; é tudo aquilo que se afirma sobre o sujeito.

Exemplo: O pai fez uma surpresa aos filhos.

Sujeito: o pai

Predicado: fez uma surpresa aos filhos

O predicado pode ser constituído apenas pela forma verbal mas, muitas vezes, o verbo precisa de outras palavras que completem melhor o seu sentido. A essas palavras chamamos complementos.

O complemento directo é formado por palavras directamente ligadas ao verbo, que indicam o objecto sobre o qual recai a acção, e que respondem à pergunta o quê?

Vejamos novamente o exemplo acima: O pai fez uma surpresa aos filhos.

Fez o quê? Uma surpresa.

Complemento directo: uma surpresa

O complemento indirecto é formado por palavras que não estão directamente ligadas à forma verbal; precisam de uma preposição para estabelecer essa ligação; indicam o destinatário da acção; respondem a perguntas como: a quem? a quê? para quem? de quê?

Continuando a analisar a mesma frase: o pai fez uma surpresa aos filhos.

Fez a quem? Aos filhos.

Complemento indirecto: aos filhos

Outras funções sintácticas (que irás estudar mais tarde): vocativo, predicativo do sujeito, complementos circunstanciais de lugar, de tempo, de modo, …

01/03/09

O Cavaleiro da Dinamarca - questionário do regresso do Cavaleiro


Na Flandres, e em conversa com o negociante flamengo, na casa de quem ficou alojado, este contou-lhe as suas viagens. Numa delas, veio a Lisboa, onde embarcou numa caravela para as costas de África. (pág. 48 a 57) 

1. Consulta o link seguinte e responde às questões:
   1.1. Onde fica Lisboa?
   1.2. Que rio que a banha?
   1.3. Indica alguns dos monumentos mais importantes de Lisboa.
   1.4. Quais já visitaste?

2. Na madrugada seguinte o Cavaleiro partiu em direcção à sua povoação. (páginas 61 a 65 )
   2.1. Consulta as páginas indicadas e responde às questões:
   2.1.1. Como descobriu ele o caminho?
   2.1.2. Como o receberam os homens da sua aldeia?

3. De repente, e no meio da escuridão, o Cavaleiro viu uma pequena claridade. A luz continuava a crescer à medida que se aproximava. ( páginas 70 a 73 )
   3.1. Consulta as páginas indicadas e responde às questões:
     3.1.1. O que era a tal "luz"?
     3.1.2. Como se sentiu ele?
     3.1.3. Esta história foi contada em todos os países do norte. Por causa desta história, o que se faz na noite de Natal?

4. Dá a tua opinião sobre este conto de Sophia de Mello Breyner Andresen. Gostaste ou não? Porquê?

O Cavaleiro da Dinamarca - Questionário: em Veneza


" Depois, em fins de Fevereiro, despediu-se de Jerusalém e, na companhia de outros peregrinos, partiu....”. Entre esses peregrinos havia um mercador de Veneza com quem o Cavaleiro travou amizade. (...) Apesar do mau tempo apanhado no percurso, chegaram ao porto da cidade de Ravena. (pág. 14/15 e 16). De Ravena, e seguindo o conselho do mercador amigo, seguiu para Veneza (pág. 16/17 e 18).

1. Consulta o link seguinte e responde às questões:
   1.1. Em que país fica Veneza?
   1.2. Indica o nome da sua Praça mais famosa.
   1.3. Como se deslocam os Venezianos no seu dia-a-dia?
   1.4. O que mais te fascinou em Veneza?

2. Em Veneza, e num final de serão, o mercador e o Cavaleiro ficaram a conversar na varanda. É então que o mercador lhe conta uma bela história de amor. (pág. 20 a 26)
   2.1. Consulta as páginas indicadas e responde às questões:
     2.1.1. Indica o nome das personagens da história.
     2.1.2. Vanina não quer casar com Arrigo. Por quem se apaixona ela?
     2.1.3. Qual o transporte usado por Guidobaldo para namorar Vanina?
     2.1.4. O Tutor de Vanina não autoriza o seu namoro com Guidobaldo. Que resolveram fazer eles?
     2.1.5. Como fugiram?
     2.1.6. O que fez o seu tutor para os encontrar? Será que os achou?

3. "Daí a três dias, montado num belo cavalo que o mercador lhe oferecera, o dinamarquês deixou Veneza." (pág. 27/28)
   3.1. Consulta a página 28 e indica em que mês parte ele.

O Cavaleiro da Dinamarca - questionário: em Florença


Aconselhado pelo mercador dirigiu-se a Florença, onde chegou em princípios de Maio. (pág. 28)

1. Consulta o link anterior e responde:
   1.2. Refere alguns dos monumentos mais famosos de Florença.
   1.3. A que época remontam?
   1.4. Qual o seu estilo arquitectónico?
   1.5. Que mais te impressionou na cidade de Florença?

2. Em Florença o Cavaleiro fica na casa do banqueiro Averardo, amigo do mercador veneziano. Num jantar dado pelo banqueiro falou-se de Giotto e de Cimabué. (páginas 31 a 34 )
   2.1. Consulta os links indicados e responde às questões:
     2.1.1. Quem foi Giotto? E Cimabué?
     2.1.2. Observa as suas obras e dá a tua impressão das mesmas.

3. Nesse jantar em que falam de Giotto, alguém refere que ele foi amigo de Dante, que se referiu a ele no seu poema mais famoso. (pág. 34 a 40)
   3.1. Consulta o link e responde às questões:
     3.1.1. Quem foi Dante?
    3.1.2. Qual a sua obra mais famosa?
     3.1.3. De que trata essa obra?

4. Depois de partir de Florença em direcção à Flandres, o Cavaleiro adoeceu e ficou alojado num convento de frades. Quando chegou à Flandres já era Inverno. ( pág. 42 e 43 )
   4.1. Consulta o link anterior e responde às questões:
     4.1.1. Que territórios actuais formaram, um dia, a região da Flandres?
     4.1.2. Que línguas se fala nesses países?

O Cavaleiro da Dinamarca - questionário: em Jerusalém


" Na Primavera o Cavaleiro deixou a sua floresta e dirigiu-se para a cidade mais próxima, que era um porto de mar. Nesse porto embarcou ... chegando muito antes do Natal às costas da Palestina. Dali seguiu com outros peregrinos para Jerusalém." (pp. 12/13)

1. Consulta a pág.12 e carrega no link anterior para visualizares os locais por visitados pelo cavaleiro.

   1.1. Indica alguns desses locais.

   1.2. Indica os que mais te impressionaram e porquê.

2. " Passado o Natal o Cavaleiro demorou-se ainda dois meses na Palestina, visitando os lugares que tinham visto passar Abraão e David, os lugares que tinham visto passar a Arca da Aliança, o cortejo da Rainha do Saba ....". (pág. 14)

   2.1. Consulta os links a seguir indicados e responde às questões:

     2.1.1. Quem foi Abraão?

     2.1.2. Quem foi David?

     2.1.3. O que era a Arca da Aliança?

        2.1.3.1.Lembras-te do filme onde se falava dessa Arca? Qual era?

O Cavaleiro da Dinamarca - questionário de introdução ao estudo da obra

Como vamos iniciar o estudo d' O Cavaleiro da Dinamarca, de Sophia de Mello Breyner, aqui fica este questionário, para introdução à análise da obra. Imprime-o e responde às questões que nele te são apresentadas. BOM TRABALHO!